+
Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia de Richard Mayer

Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia de Richard Mayer

Author: Nelson Sovela
Description:

Pretende-se com este artigo compreender melhor a teoria de Mayer e perceber os estudos realizados na compreensão do processo de aprendizagem da mente humana.

 

No âmbito da unidade curricular de Comunicação Educacional foi proposta a elaboração de um artigo acerca da Teoria Cognitiva da Aprendizagem multimédia de Mayer.

Uma vez que previamente foi estudado um artigo acerca das Múltiplas Representações Externas (MRE), procurou-se, de um modo mais generalista, analisar a teoria apresentada por Richard Mayer (1997, 2001) tentando aliar algumas ideias de  Shaaron Ainsworth (2006).

Duas teorias que são particularmente associadas, pois compartilham um foco sobre a natureza da memória de trabalho humana.

(more)
See More
Try a College Course Free

Sophia’s self-paced online courses are a great way to save time and money as you earn credits eligible for transfer to over 2,000 colleges and universities.*

Begin Free Trial
No credit card required

25 Sophia partners guarantee credit transfer.

221 Institutions have accepted or given pre-approval for credit transfer.

* The American Council on Education's College Credit Recommendation Service (ACE Credit®) has evaluated and recommended college credit for 20 of Sophia’s online courses. More than 2,000 colleges and universities consider ACE CREDIT recommendations in determining the applicability to their course and degree programs.

Tutorial

Início

A tecnologia é a resposta, mas qual é a pergunta?
(Ely, 1997)

Trabalho desenvolvido no âmbito da Unidade Curricular de Comunicação Educacional da 15ª edição do Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia da Universidade Aberta. Tem como finalidade a produção de um artigo acerca da Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia de Richard Mayer.Docentes: António-Quintas Mendes | Daniela Melaré Barros

 


 

Introdução

No âmbito da unidade curricular de Comunicação Educacional foi proposta a elaboração de um artigo acerca da Teoria Cognitiva da Aprendizagem multimédia de Mayer.

Uma vez que previamente foi estudado um artigo acerca das Múltiplas Representações Externas (MRE), procurou-se, de um modo mais generalista, analisar a teoria apresentada por Richard Mayer (1997, 2001) tentando aliar algumas ideias de Shaaron Ainsworth (2006).

 

Duas teorias que são particularmente associadas, pois compartilham um foco sobre a natureza da memória de trabalho humana.

 

Pretende-se com este artigo compreender melhor a teoria de Mayer e perceber os estudos realizados na compreensão do processo de aprendizagem da mente humana.

Aprendizagem

 

Para melhor compreender as teorias em análise, importa perceber como se processa a aprendizagem e de que modo o ser humano adquire conhecimentos e sabedoria. Ao nos confrontarmos com as suas definições e ao indagar acerca da relevância deste vocábulo quase que vagueamos num mundo de doutrinas e definições das mais vastas áreas do conhecimento…Certamente que a nossa mente nos conduz…Mas que aprendizagem é esta? Que significa aprender? Como se aprende?

A aprendizagem é a capacidade de que quotidianamente necessitamos para responder de um modo adequado às diferentes solicitações e desafios que se nos colocam na nossa interação com o meio. Mas será que existe um único tipo de aprendizagem, ou será que se aprende sempre da mesma forma, independentemente do objectivo da aprendizagem?

Termos e conceitos estudados ao longo de séculos por filósofos e pedagogos que ainda hoje nos envolvem e questionam… afinal o que sabemos acerca da aprendizagem? Qual o melhor processo na aquisição de conhecimentos? Como se aprende e como se constrói uma aprendizagem?

Esta é uma temática muito complexa que nos expõe a inúmeros conceitos, ideias e definições. De um modo muito simples e como rampa de lançamento deste artigo, importa definir que este conceito, confrontado como ação educativa, tem como finalidade ajudar a desenvolver no indivíduo capacidades que os tornem capazes de estabelecer relações pessoais e sociais com o meio em que vivem, usando estruturas sensório-motoras, cognitivas e afectivas.

Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia

 

Richard E. Mayer

 

            A era dos nativos digitais ergueu-se! Chegou e moldou todo um universo que cada vez aparenta ser mais exigente, científico e tecnológico. Hoje aprende-se de um modo diferente e a aprendizagem multimédia tem despontado cada vez mais interesse em investigadores e cientistas.

            Para Richard Mayer, professor de psicologia da Universidade da Califórnia, a sua atual investigação envolve a interseção da cognição, instrução e tecnologia, com especial enfoque na aprendizagem multimédia. Segundo este investigador e de acordo com o seu princípio, as pessoas aprofundam mais os seus conhecimentos a partir de imagens e palavras do que apenas de palavras isoladas. De acordo com os seus estudos, a informação processa-se através de dois canais, o verbal e o visual. Se num processo de aprendizagem o professor conduzir a sua explicação através de palavras e imagens, os alunos poderão aprender com maior êxito. Se nos focarmos no sistema de verbalização entre professor aluno, utilizando apenas palavras, os alunos terão maior dificuldade em recordar o que foi dito pelo professor pouco tempo após a informação ter sido transmitida.

            Ao nos confrontarmos com este estudo e com as suas explicações até parece que o processo de aprendizagem se torna simples. Mas será que é isso que este processo se torna simples com a tecnologia? Basta uma exposição recorrendo a elementos multimédia para obter resultados no campo educativo?

Evidentemente que adicionar imagens a palavras não garantem a aprendizagem e um sucesso educativo. É essencial que a apresentação multimédia seja apropriada e pensada ao público a que se dirige. É disso exemplo o modo como se explica a um aluno do ensino básico o ciclo da água e a um aluno do ensino secundário. É praticável explicar a um jovem aluno através de um esquema animado multimédia e a um aluno do ensino secundário através de gráficos ou tabelas com percentagens. É essencial que as mensagens a transmitir estejam de acordo com o processo cognitivo de cada indivíduo.

Existem uma série de possibilidades de aprendizagem e que de certo modo nos remetem também para a investigação de Shaaron Ainsworth (2006) onde nos indica o modo como diferentes representações influenciam a aprendizagem. O estudo desta professora da universidade de Nottingham exemplifica a forma como se ensina recorrendo a múltiplas representações. Representações que se resumem a competências e habilidades nas estratégias de ensino. Estas competências são a base e a chave de toda a sua investigação no processo de aprendizagem. As representações que a autora indica são as competências a forma como realmente se pode aprender.

O esquema e a explicação acerca da bomba de ar da bicicleta é um exemplo que pode ser utilizado, pois o professor pode explicar à sua turma como funciona e alguns alunos não compreenderem, mas um colega pode explicar recorrendo a outra palavras, ou seja, pode fazer uma explicação mais próxima da linguagem utilizada entre alunos, permitindo que a mente interprete a informação de um modo diferente.

Naturalmente que todo este processo depende de factores cognitivos, ambientais, de estilos de aprendizagem e do uso de recursos que compõem o processo de ensino-aprendizagem.

Princípios da Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia

A aprendizagem multimédia, Mayer (2001) assenta em três pressupostos:

O pressuposto do canal duplo, no qual o ser humano possui canais de processamento de informação separados (visual e verbal).

O pressuposto da capacidade limitada (limitação no processamento de informação em cada canal).

O Pressuposto de aprendizagem activa no qual a aprendizagem requer um processamento cognitivo essencial em ambos os canais (Mayer 2001).

Na figura um, Richard Mayer revela como imagens e palavras são assimiladas através de uma apresentação multimédia entrando na memória sensorial através da audição e visão.

 

Fig. 1 – Processamento de informação (Mayer)

 

De acordo com os estudos concretizados e dos pressupostos referidos, resultam sete princípios que devem ser tidos em consideração no desenvolvimento de um documento multimédia

 

 

• Princípio multimédia: Os alunos aprendem melhor quando se combinam palavras e imagens do que só palavras;

 

• Princípio de proximidade espacial: Quando as palavras e imagens correspondentes estão próximas em vez de distanciadas, por exemplo no mesmo ecrã;

 

 

• Princípio de proximidade temporal: Quando palavras e imagens são apresentadas simultaneamente em vez de sucessivamente;

 

• Princípio de coerência: Quando palavras, imagens ou sons não relevantes para o assunto são excluídos;

 

 

 

• Princípio de modalidade: Quando se utiliza animação e narração em vez de animação e texto escrito;


 

• Princípio de redundância: Quando se utiliza animação e narração em vez de animação, narração e texto;

 

 

• Princípio das diferenças individuais: Analisando os sujeitos relativamente aos conhecimentos e à orientação espacial, conclui-se que os sujeitos que beneficiam mais de um documento multimédia são os que têm poucos conhecimentos relativamente aos que já têm muitos conhecimentos e são os sujeitos que têm elevada orientação espacial que mais beneficiam comparativamente aos que têm pouca orientação espacial.

Conclusão

 

O “princípio multimídia”, afirma que “as pessoas aprendem mais profundamente a partir de palavras e imagens, do que apenas com palavras isoladas”. Esta é a ideia fundamental e que mais se patenteia na investigação do professor Mayer. Partindo dos textos da área cognitiva apresentados nesta UC, o seu, talvez seja o que melhor resume os benefícios da aprendizagem baseada na utilização de recursos visuais.

Mas como se mencionou, é importante o modo como se processa este tipo de aprendizagem bem como as competências a utilizar. Estas deverão ser sempre adaptadas à audiência bem como as estratégias didácticas e as representações a utilizar. Deverão ir sempre de encontro ao que se pretende transmitir. Por outras palavras pode-se concluir que neste tipo de aprendizagem a produção e utilização de materiais multimédia não resolvem os problemas de aprendizagem, mas se criados adequadamente podem sem dúvida melhorar o processo de aprendizagem. Esta teoria destaca a otimização dos recursos educativos, e a forma como se utiliza uma carga cognitiva na apreensão de novos conhecimentos.

Em suma pode-se referir que a criação da mensagem multimédia deve estar assente numa base de aprendizagem humana onde a aplicação da tecnologia não altere o funcionamento do cérebro humano. 

Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimedia

Multimedia Learning Theory

The Cognitive Theory of Multimedia Learning

Sobre Richard Mayer

 

Richard Mayer é professor de Psicologia da Universidade de Califórnia, Santa Barbara (UCSB). Sua pesquisa atual envolve a interseção da cognição, instrução e tecnologia, com especial enfoque na aprendizagem multimédia e computador com suporte de aprendizagem. É autor de mais de 400 publicações, incluindo 25 livros.
http://www.psych.ucsb.edu/people/faculty/mayer/index.php

Bibliografia

 

MAYER, Richard. The promise of multimedia learning: using the same instructional design methods across different media. Learning and Instruction 13 (2003), 125–139, Pergamon.

 

AINSWORTH, Shaaron. DeFT: A conceptual framework for considering learning with multiple representations. Learning and Instruction 16 (2006) 183e198, ELSEVIER

 

GAMA, Maria (s.d). Aprendizagem da História e TIC Disponível em: http://historiatic.yolasite.com/aprendizagem-multimedia-e-carga-cognitiva.php acesso em: 29.08.11